BC destaca peso de riscos fiscais em decisão de alta de 0,75 ponto percentual da Selic

Bacen 23 de Mar de 2021

Foto: Prédio do Banco Central em Brasília (Crédito: Shutterstock)

BRASÍLIA (Reuters) – A decisão do Banco Central de elevar a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual na última semana e indicar outra alta do mesmo valor para maio levou em conta os riscos fiscais de curto prazo e preocupações com a desancoragem das expectativas para a inflação, mostrou a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta terça-feira.

A avaliação do Copom é que o cenário básico para a inflação, com forte crescimento nos últimos meses e piora das expectativas, já recomendaria o início de um processo de normalização “parcial” das taxas de juros.

Mas o colegiado frisou na ata que os riscos fiscais de curto prazo implicam um viés de alta para as projeções. “Essa assimetria no balanço de riscos afeta o grau apropriado de estímulo monetário, justificando trajetória com elevação inicial dos juros superior à suposta no cenário básico”, disse o Copom.

Leia o post na integra no link abaixo

BC destaca peso de riscos fiscais em decisão de alta de 0,75 ponto percentual da Selic
O BC elevou a Selic a 2,75% última quarta-feira, surpreendendo a maioria dos analistas de mercado que esperava um aperto menor, de 0,50 ponto percentual

Marcadores

Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Ótimo! Agora, complete o checkout para ter o acesso completo.
Bem vindo de volta! Você fez login com sucesso.
Sucesso! Sua conta está completamente ativada, agora você tem acesso completo ao conteúdo.