Quem são as brasileiras que conquistam novos espaços usando a tecnologia

Tendências Mar 09, 2020

Publicação original em Google

Outro dia estava ouvindo o podcast Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes quando a Amélia, minha filha mais nova, fez uma pergunta que pega qualquer mãe desprevenida: “Mãe, o que é ser rebelde?”.

Comecei a me questionar sobre qual seria uma explicação possível para uma criança. Rebeldes seriam aqueles que desobedecem regras? E se ela achasse que rebeldes são aqueles que desobedecem seus pais?

Mulheres rebeldes seriam iguais a homens rebeldes? Muitas de nós somos levadas a pensar que um homem rebelde é corajoso, quebra padrões, lidera batalhas. Mas quando o adjetivo é aplicado a nós, parece que as pessoas estão falando de uma mulher "difícil", indisciplinada, turrona.

Questões como essa nos mostram como continua sendo importante falar em igualdade de condições entre mulheres e homens, especialmente no mercado de trabalho, como apontamos em 2018. No ano passado, falei do impacto profundo que a dupla – às vezes tripla – jornada feminina acaba tendo nesse contexto. Mas para não dizer que não avançamos, fato é que em seis décadas, somente no Brasil, a nossa participação profissional formal mais que triplicou.1

Continuar lendo aqui

Tags

Gustavo Armoa

Estudante de Engenharia de Software, apaixonado por Data Science e E-commerce. Atualmente trabalhando como Front-end Developer na da agência digital proideas e gamer na horas vagas.

Great! You've successfully subscribed.
Great! Next, complete checkout for full access.
Welcome back! You've successfully signed in.
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.